Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a Parteira explica

Este blog pretende facultar informação credível e científica sobre planeamento familiar e pré-concepcional, gravidez, preparação para o parto, cuidados ao RN, saúde infantil e amamentação

Este blog pretende facultar informação credível e científica sobre planeamento familiar e pré-concepcional, gravidez, preparação para o parto, cuidados ao RN, saúde infantil e amamentação

a Parteira explica

12
Jun18

Toxoplasmose e Gravidez

aparteiraexplica

Toxoplasmose

 

ciclo da cadeia epidemiológica da toxoplasmose.bm

 

O que é a toxoplasmose?

A toxoplasmose é uma infecção causada por um protozoário, o Toxoplasma Gondii, que tem como principal hospedeiro o gato e cujo período de incubação é de cerca de dez dias.

 

Qual a sua prevalência?

A prevalência da Toxoplasmose varia de país para país, observando-se variações tão grandes na prevalência como 20% nos Estados Unidos da América e na Inglaterra, 73% na França e cerca de 60% em Portugal. A taxa de infecção é de cerca de 4,2 crianças infectadas em cada 1000 nados vivos.

 

Como ocorre a transmissão da toxoplasmose?

A infecção nos gatos faz-se pela ingestão de roedores infectados. Os organismos desenvolvem-se nas células intestinais do gato, são eliminados nas fezes e amadurecem no meio externo em três a quatro dias em oócitos infectantes. Estes podem ser ingeridos por outros animais ou pelos seres humanos e produzir uma infecção aguda e crónica de vários tecidos, incluindo o cérebro.

Assim, os seres humanos são infectados por duas fontes: Ingestão de alimentos contaminados por oócitos (geralmente através das fezes dos gatos) e Ingestão de carne mal cozida de animais que servem como hospedeiros intermediários.

 

Sintomas:

 

Nas pessoas saudáveis, esta infecção não provoca sintomas porque o sistema imunitário impede o parasita de causar doença. Quando ocorre, tende a ser muito ligeira, semelhante a um quadro gripal que dura algumas semanas ou meses e depois desaparece.

Os sintomas da doença incluem calafrios, febre, cefaleias, mialgias, linfadenite cervical posterior e fadiga, assemelhando-se à mononucleose infecciosa. Contudo, é importante reter que o parasita permanece no organismo, podendo ser reactivado se as defesas diminuírem.

Os sintomas de forma crónica são inflamação ocular, exantema, febre alta, hepatite, encefalomielite e miocardite.

 

Como se diagnostica a toxoplasmose?

O diagnóstico de toxoplasmose é quase sempre laboratorial, através de análises ao sangue que demonstram a presença de anticorpos contra o parasita.

 

Como se trata a toxoplasmose?

Na maioria das pessoas saudáveis, a recuperação da toxoplasmose ocorre sem tratamento. No entanto, quando necessário o tratamento consiste na administração de um conjunto de medicamentos, como a espiramicina, sulfadiazina e a pirimetamina,

O tratamento durante a gravidez é discutível, porque os medicamentos podem ser tóxicos para o feto. Como tal, importa avaliar cada caso de forma individual, no entanto a a espiramicina 3 gramas por dia tem-se revelado eficaz, uma vez que, é considerada inócua mesmo no primeiro trimestre de gravidez. O medicamento deverá repetir-se ao longo da gravidez, com intervalos de um mês, acompanhado da vigilância da grávida e feto. De acordo com a lei, a infecção materna por toxoplasmose pode justificar a interrupção da gravidez.

 

Toxoplasmose e gravidez – Como ocorre a infecção fetal?

A infecção fetal pode dar-se por dois mecanismos: migração transplacentária durante a parasitémia materna, como consequência de infecção aguda durante a gravidez e por via transplacentária ou transamniótica, a partir de quistos de toxoplasma acantonados no endométrio numa infecção latente e pré-concepcional.

O risco para o feto depende da idade gestacional em que a infecção ocorre e da sua capacidade imunitária no momento da transmissão. Quando a infecção materna se verifica no último trimestre, a transmissão ao feto é mais frequente mas a doença do recém-nascido é quase sempre subclínica. Se a infecção ocorre no início da gravidez, a transmissão fetal é menos frequente, mas a doença no recém-nascido é mais grave, uma vez que, a infecção pode ser assintomática na mãe com transmissão não reconhecida para o feto, aumentando o número de abortos, nados mortos, atraso intra-uterino do crescimento e infecção congénita grave. Ao nascer, o recém-nascido desenvolverá icterícia, hepatoesplenomegália, convulsões, encefalite, microcefalia, calcificações cerebrais, atraso mental, coriorretinite e cegueira com mau prognóstico.

 

  

Prevenção:

 

Relativamente à prevenção primária da doença, deve passar por dois pontos fulcrais: medidas ao nível da alimentação e medidas ao nível do contacto com o meio ambiente e com os animais:

 

- Utilizar luvas em actividades que impliquem contacto com a terra e lavar as mãos no fim das mesmas

- Lavar bem as mãos e todos os utensílios de cozinha (facas, tábuas) durante e após a preparação de alimentos crus

- Descascar ou lavar bem as frutas, verduras e legumes crus para retirar a terra

- Evitar ingestão de saladas fora de casa

- Carne e ovos bem cozinhados  

- Não consumir produtos lácteos não pasteurizados

- Evitar água não tratada

- Evitar o contacto com a caixa de areia dos gatos (dejectos) e, se tal for necessário, fazê-lo usando luvas e lavando as mãos logo de seguida.

 

                                                                         

                                                                            a Parteira explica

 

 

Fontes:

 

- Graça, L. (2010) Medicina Materno-Fetal. 4ªEd. Lisboa: Lidel.

- Direcção Geral de Saúde [DGS] (2000). Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes. Saúde Reprodutiva: Doenças Infecciosas e Gravidez. Orientações Técnicas. Lisboa: Monumental.

- Centers for Disease Control and Prevention (2017). Toxoplasmosis.

- Direcção Geral de Saúde [DGS] (2015). Vigilância da gravidez de baixo risco.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub